Notas

Filas nos canteiros de obra mostram o drama dos desempregados em Fortaleza

A foto acima é de uma fila de emprego em uma obra da BSPAR-Estrutech Engenharia, no bairro Benfica, em Fortaleza (CE), na manhã desta quinta-feira, 01. Do lado de dentro, haviam cerca de 70 operários trabalhando e outros 50 estavam do lado de fora, na porta e dos dois lados da rua, lutando por uma vaga. Na semana anterior, a polícia foi chamada por outra empresa, a Canoplus, na Região Metropolitana, para “controlar” uma fila e reprimiu fortemente os desempregados.

A construção civil viveu um período de grande crescimento até por volta de 2014, quando empregava 106 mil pessoas no Ceará. Em 2013, eram quase três milhões no setor em todo o país. O cenário é de desemprego. Na cidade de Fortaleza, segundo o sindicato dos trabalhadores, o número de empregados não passa de 10 mil e é comum encontrar operários desempregados fazendo malabarismo e acrobacias no sinal de trânsito em troca de um níquel.

O sindicato, além de orientar os desempregados sobre os lugares que ainda estão ofertando emprego, tem conversado com os desempregados na porta das obras, combinando com a queda de braço com os patrões na campanha salarial.

O anúncio do governo federal, da queda do índice de desemprego, de 12,7% no primeiro trimestre para 12% no segundo trimestre, não chega a alterar o cenário e a crise no trabalho. Mesmo o IBGE, controlado por Bolsonaro, evita usar a expressão “retomada”. O país tinha, em junho, 12,766 milhões de desempregados.

Os números do IBGE mostram também que, como expressão da crise, o total de trabalhadores em “desalento”, que simplesmente desistiram de buscar trabalho, aumentou no mesmo período, subindo de 4,843 milhões para 4,877 milhões de pessoas.

Com Bolsonaro no governo, a vida do povo trabalhador só piora

Para piorar, nesta semana o governo anunciou a flexibilização das Normas Reguladoras (NR’s) sobre saúde e segurança do trabalhador. Essa medida é mais um brutal ataque aos direitos, que ainda vai piorar muito a terrivel situação atual, ampliando os acidentes e as mortes nos locais de trabalho de nosso país, em especial entre os precarizados. Mais um crime desse governo anti-trabalhador.

Não há atalhos. A saída é investirmos com tidas as nossas forças na luta coletiva e unificada, construindo um novo dia nacional de lutas e mobilizações, em dia 13 de agosto. Para termos emprego, educação, aposentadoria e democracia, é preciso derrotar o governo Bolsonaro e seus ataques nas ruas.

 

*Colaborou Fábio José, de Fortaleza (CE).

Facebook Comments

Relacionados

SEJA PARTE DA RESISTÊNCIA. FILIE-SE AO PSOL.

resistencia

Discurso homofóbico e machista de Bolsonaro e a apologia ao turismo sexual

resistencia

Por que ingresso na Resistência?

resistencia